Total de visualizações de página

domingo, 29 de setembro de 2013

Microsoft denuncia que Brasil "DILMA, LULA, PT" também obrigou-o a espionar usuários do Skype e Outlook

Há bastante tempo as redes sociais não levam a sério as queixas de Dilma, porque elas são jogo de cena. A nota a seguir revela que o Brasil há muito usa gigantes como as americanas Microsoft e Google para espionar. A nota a seguir é apenas a ponta do iceberg. O Google nem falou ainda. Pior é quando a NSA revelar de que modo tem trabalhado com o governo brasileiro. 

Em um relatório de transparência divulgado neste sábado, a Microsoft revelou que dados de 2.019 contas e usuários foram requisitados por órgãos brasileiros. Foram 1.098 pedidos encaminhados por meio de ações judiciais entre janeiro e junho de 2013. As informações são referentes a serviços online como Skype e Outlook. Quase 71% delas tratam de informações do usuário ou de dados transacionais. Entretanto, em apenas 5,8% dos casos o conteúdo foi divulgado. Já em 22,7% deles não foi encontrado nenhum conteúdo, e 0,6% dos pedidos foi rejeitado pela empresa.

No total, a Microsoft (incluindo o Skype) recebeu 37.196 pedidos sobre 66.539 contas nos primeiros seis meses do ano. O número é menor, mas deve superar até o final de 2013 os 75.378 pedidos sobre 137.424 contas de 2012.

Primavera Negra de Cuba


As Damas de Branco (em espanhol Damas de Blanco) é um grupo de mães e esposas de "presos de consciência" do regime socialista cubano. É composto por familiares e esposas de cidadãos presos por serem opositores ao regime político da ilha e lutarem pela liberdade. O movimento surgiu em 2003, após a chamada Primavera Negra de Cuba e possui como tradição a vestimenta branca utilizada nos protestos.
Presos por Delito de Opinião em Cuba
Imagens de um regime comunista arcaico
Damas de Branco enterrando seus mortos em Cuba - Assassinados pelo Regime.


Esposa de preso político sendo presa e espancada pelo regime cubano

O Lula e o PT sabem de tudo o que se passa na Ilha de Fidel. Amam torturar os outros.

Máfia do Minha Casa, Minha Vida exige que inscritos cumpram tarefas partidárias para receber a casa própria.

Presidenta Dilma Rousseff posa para foto com o senhor Anderson Aparecido de Souza e família, beneficiados pelo programa Minha Casa, Minha Vida, na entrega de novas moradias. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Liberadas pelo Ministério das Cidades para criar regras adicionais durante o processo de seleção das famílias, as entidades subdividem seus associados em dois grupos: os que podem e os que não podem participar de eventos públicos. O primeiro tem vantagem antes e depois da entrega das chaves. De acordo com o movimento, quem tem mais pontos pode ganhar até uma garagem ou escolher a unidade em que vai morar.
Cada evento tem uma pontuação específica. As entidades definem seus critérios de importância, que precisam ser aprovados em assembleia. Para integrantes da Associação dos Trabalhadores da Zona Noroeste, por exemplo, a participação em uma reunião vale um ponto, mas a presença em um ato público rende 15.
"Quem tiver mais pontos ganha a casa", explica a vendedora Elisiane Santos, de 25 anos. Militante da causa há apenas seis meses, ela já soma mais de 200 pontos. "Minha mãe conseguiu um apartamento com 650 pontos, mas acho que com 400 já serei escolhida", diz. Mas, para garantir a pontuação, é preciso participar dos eventos até o fim. Só assim garantem os comprovantes da presença – normalmente pulseirinhas ou adesivos.
Enquanto premiam pessoas mais engajadas na luta por moradia, os critérios de escolha prejudicam quem não tem dinheiro ou tempo para exercer uma militância mais combativa. A manicure Lândia Rodrigues, de 29 anos, faz parte desse grupo. Ela paga R$ 500 de aluguel por mês e diz que não sobra para a mensalidade. "Além disso, não tenho tempo para ir a todas as reuniões. Trabalho 12 horas por dia e tenho de cuidar da minha filha. Por isso, já entrei e saí de várias associações."
Pelas regras do Minha Casa Minha Vida Entidades, só famílias com renda mensal de até R$ 1,6 mil podem pleitear participação. A partir dessa condição, a seleção deve seguir três critérios básicos: famílias que vivem em áreas de risco, que têm mulheres como responsáveis e que possuem parentes com algum tipo de deficiência.(Folha de São Paulo)

Campanha da Dilma montou super esquema de caixa dois em 2010 e deu informações falsas ao TSE.

Cabos eleitorais da presidente Dilma Rousseff que aparecem como "voluntários" na prestação de contas de campanha de 2010 afirmam que receberam dinheiro pelo trabalho realizado no segundo turno da eleição. A Folha localizou 12 pessoas em Mato Grosso e no Piauí que dizem nunca ter atuado de graça, apesar de serem tratadas como prestadores de serviço sem remuneração nos papéis entregues pela campanha ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

O motoboy Fernando Araújo Matos, 23, de Teresina (PI), é um desses "voluntários" de Dilma. Ele rodava a cidade em sua moto carregando bandeiras da candidata do PT."No segundo [turno] fiquei só com a Dilma. Recebi R$ 300 e o tanque de gasolina." O nome dele e de outros cabos eleitorais aparecem em declarações individuais de "trabalho voluntário" assinadas, nas quais eles atestam estar cientes da "atividade não remunerada".

As declarações fazem parte da documentação entregue à Justiça Eleitoral, que considera "doador" quem presta serviço "voluntário". A Folha identificou ao menos 43 "trabalhadores voluntários" na prestação de contas da campanha, totalizando "doações" de cerca de R$ 20 mil. No grupo, estão os 12 localizados pela reportagem. Efetuar pagamentos de campanha e não declará-los é crime de caixa dois. O PT nega a prática e diz que suas contas foram aprovadas. No total, a campanha da atual presidente registrou arrecadação de R$ 135 milhões e despesas de R$ 153 milhões.
Nas entrevistas com os cabos eleitorais, a Folha mostrou cópias das declaração de "trabalho voluntário". A maioria confirmou a assinatura, mas disse não ter lido o documento antes. "[O trabalho] não foi de graça. Não sou otário para trabalhar de graça", disse Mariano Vieira Filho, que atuou como motoboy no PI. Já Luís Fernando Barbosa Nunes, 25, também motoboy na campanha de Dilma em Teresina, disse que sua assinatura foi falsificada no documento entregue ao TSE. "Nunca ia assinar meu nome errado. Está escrito Luís com z e eu não escrevo assim".
Em Cuiabá, a tecnóloga em segurança do trabalho Cristine Macedo, 48, diz ter ganho cerca de R$ 600 para panfletagem. "As pessoas que trabalharam precisavam do dinheiro. Eu trabalhei pelo dinheiro. Se falar em voluntário, ninguém vai trabalhar." Nas contas aprovadas pela Justiça Eleitoral não há registro de pagamento a nenhum deles no segundo turno. No primeiro turno, todos trabalharam para candidatos do PT ou aliados nos Estados e foram registrados como prestadores de serviço. No segundo turno, viraram "voluntários" de Dilma.
OUTRO LADO
Procurada e informada sobre o teor da reportagem, a coordenação financeira da campanha da presidente Dilma Rousseff em 2010, comandada pelo atual secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo, José de Filippi Júnior, afirmou que a prestação de contas foi aprovada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). "Os termos de trabalho voluntário foram feitos pelas coordenações estaduais da coligação e repassadas à coordenação nacional, que encaminhou para o TSE junto com toda documentação relativa à prestação de contas", disse, por meio de nota, o tesoureiro à época. Filippi Júnior disse ainda que "toda arrecadação e pagamento" foram realizados por meio de transferência bancária e registrados.
O coordenador-geral da campanha petista de 2010, José Eduardo Dutra, disse por meio de sua assessoria que o assunto não cabia a ele, porque não cuidou das finanças. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que também coordenou a campanha de Dilma em 2010, disse via assessoria de imprensa que as contas foram aprovadas e que somente coube a ele a coordenação jurídica.
Também procurada no Palácio do Planalto, a assessoria da presidente Dilma Rousseff afirmou que "todas as questões relativas a 2010 são respondidas pela coordenação da campanha".  (Folha de São Paulo)


Campanha da Dilma usou cadastrados da Bolsa Família como cabos eleitorais em 2010. E pagou com dinheiro de caixa dois.

Moradora de Campo Verde (MT), a cozinheira Sebastiana da Rocha, 33, trabalhou no segundo turno das eleições de 2010 como cabo eleitoral da campanha de Dilma. Diz ter recebido R$ 600 pela distribuição de panfletos, mas não sabia que, na ocasião, havia se tornado uma doadora da campanha.  Em julho passado, ela foi surpreendida com um telefonema do Ministério do Desenvolvimento Social, responsável pelo programa Bolsa Família, do qual é beneficiária. A pasta recebera denúncia segundo a qual Sebastiana havia doado R$ 510 à campanha de Dilma e queria questioná-la a respeito disso. No dia seguinte ao telefonema, uma assistente social foi à sua casa e confirmou que ela se enquadrava nos limites de renda do programa.
"Achei isso um constrangimento. Estava parecendo que eu era um bandido que estava ali sendo investigado." Somente depois disso ela entendeu: havia sido registrada como trabalhadora "voluntária" do segundo turno da campanha, por isso aparece como doadora na prestação de contas. Assustada com o caso, registrou boletim de ocorrência na polícia e fez denúncia ao Tribunal Regional Eleitoral na qual declara que não fez doação nenhuma. "Nunca me falaram sobre isso. Simplesmente lá a gente assinou contrato de prestação de serviço", diz. "Li folha por folha e não dizia nada de trabalho voluntário." Sebastiana diz que estava desempregada na época e aceitou convite de trabalho feito por uma amiga. "Gastei [o salário] com alimentos, luz e água." (Folha de São Paulo)


sexta-feira, 27 de setembro de 2013

A que ponto chegou a corrupção no governo. PMDB pede para Dilma demitir petista nomeado por ela, que desviava comida do Fome Zero na Conab.

O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, pediu nesta sexta-feira (27) à presidente Dilma Rousseff o "afastamento temporário" do diretor de política agrícola da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), o petista Sílvio Porto (foto). O pedido acontece quatro dia após ele ser indiciado pela Polícia Federal em investigação sobre desvio em um dos programas do "Fome Zero". A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa do ministério da Agricultura. Porto é acusado pela PF de cometer três crimes, estelionato, peculato e formação de quadrilha. Todavia, permanece no cargo após o indiciamento.
A decisão foi tomada após reunião realizada na manhã de hoje entre o ministro Antônio Andrade (Agricultura) e o presidente da Conab, Rubens Rodrigues -- na qual o ministro se "interou" sobre a investigação. Segundo a Folha apurou, o afastamento deve acontecer durante as investigações. Por determinação da Justiça, outros sete integrantes da Conab, entre eles o superintendente do órgão no Paraná, foram afastados.
Ontem a Conab afirmou que cabia à Presidência da República nomear e exonerar o diretor do órgão que foi indiciado por três crimes pela Polícia Federal. Segundo a Conab, o estatuto prevê que o presidente e os quatro diretores são "nomeados pelo Presidente da República, por indicação do Ministro da Agricultura".
APOIO
No mesmo dia em que a PF deflagrou a operação contra a Conab, na terça (24), o presidente do órgão fez uma reunião com todos os servidores para sair em defesa do diretor indiciado. Segundo relatos de quem participou da reunião, Sílvio Porto disse que estava entrando num "túnel escuro" mas que iria sair dessa. Porto é filiado ao PT do Rio Grande do Sul desde 1995 e muito próximo ao ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República), ex-chefe de gabinete do ex-presidente Lula.
A operação Agro-Fantasma foi deflagrada pela PF no Paraná, Estado onde foram identificadas diferentes fraudes no PAA (Programa de Aquisição de Alimentos). De acordo com o delegado federal Maurício Todeschini, foi constatada a simulação de produção e entrega de alimentos feitas pela Conab em diferentes cidades. A PF indiciou 58 pessoas por diferentes crimes e prendeu 11, entre elas está um gerente da Conab também filiado ao PT. (Folha Poder)

PLANTÃO POLICIAL: 22 Kg de maconha foram apreendidos pela BM em Porto Lucena - RS

27/09/2013 11:08
A Brigada Militar realizou a apreensão de 22 kg de maconha nesta quinta-feira, 26, em uma propriedade rural em Linha Uruguai, interior de Porto Lucena no Noroeste do estado.
Por meio de uma denúncia anônima, foi informado aos policiais que no pátio da propriedade a droga estava escondida. Parte do entorpecente foi encontrado dentro de uma caixa d'água e outros 22 tijolos da droga estavam enterrados nas proximidades, do pátio da casa. Ao todo, 22 kg de maconha foram apreendidos pelos policiais.
No momento da chegada dos brigaríamos, estava na casa apenas um idoso de 84 anos que mora com o filho. O jovem, de acordo com a denúncia, seria o responsável pela droga.
Além da maconha, outros produtos foram encontrados, entre eles, 770 pacotes de cigarro e 89 litros de cerveja, todos oriundos de descaminho. O material apreendido foi encaminhado à Polícia Federal (PF) de Santo Ângelo. Fonte
Localização
Localização de Porto Lucena
Localização de Porto Lucena no Rio Grande do Sul

terça-feira, 24 de setembro de 2013

AFILHADO DE GILBERTO CARVALHO É INDICIADO APÓS OPERAÇÃO DA POLÍCIA FEDERAL

    

Sílvio Isopo Porto

 Diretor de Política Agrícola e Informações 

Gaúcho, natural de Torres, nascido em 15/06/1966. é engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Pelotas. Já foi Diretor-presidente das Centrais de Abastecimento da Secretaria Municipal de Betim/MG; Diretor nas áreas de Produção e Abastecimento das prefeituras de Belo Horizonte/MG e de Porto Alegre/RS e; Consultor na Área de Segurança Alimentar no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 

"Em 2013 o petista graduou-se: Bacharel-Ladrão pela Escola PTista do Crime Organizado com Campi e Núcleos espalhados por todo o Brasil".

A Operação Agro-Fantasma, deflagrada nesta terça-feira pela Polícia Federal, teve como um dos alvos o diretor de política agrícola da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), Sílvio Porto. Filiado ao PT, Porto tem entre seus padrinhos políticos o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, o petista Gilberto Carvalho. A operação investigou suspeitas de desvios de recursos do programa Fome Zero. De acordo com as investigações, as fraudes ocorriam dentro do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que envolve a compra da produção da agricultura familiar e é um dos principais braços do Fome Zero. Iniciada em 2011, a operação apurou fraudes em 14 municípios paranaenses, algumas delas como a emissão de notas fiscais com quantidade superior de produtos em relação ao que efetivamente foi entregue. Silvio Porto é filiado ao PT gaúcho e sua permanência na Conab no governo Dilma Rousseff é atribuída a Gilberto Carvalho. A assessoria do ministro afirma que não há "relação próxima" entre os dois e que Gilberto Carvalho conhece Silvio Porto apenas por sua atuação na administração federal. O diretor de política agrícola da Conab foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal para prestar depoimento e indiciado. Diferente do que ocorreu com outros servidores, porém, não houve determinação judicial de seu afastamento do cargo. Segundo a Polícia Federal, foram cumpridos na operação 11 mandados de prisão preventiva, sete de suspensão cautelar de função, 37 de busca e apreensão e 37 de condução coercitiva para prestar depoimento. Os afastados são da cúpula da Companhia no Paraná, entre eles o superintendente Luiz Carlos Vissoci. Os crimes investigados são de apropriação indébita previdenciária, estelionato contra a Conab, quadrilha ou bando, falsidade ideológica, ocultação de documento, peculato doloso, peculato culposo, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, condescendência criminosa e violação de sigilo funcional.

Dilma paga R$ 25 mil por dia em New York. Espia só.


A presidente Dilma Rousseff chegou em Nova York nesta segunda-feira, para a Assembleia Geral das Nações Unidas, que acontece durante essa semana na cidade. E ela já está muito bem hospedada no luxuoso hotel St. Regis, na suíte assinada pela joalheria Tiffany and Co., equipada com três quartos, lustres de cristal na sala e equipe de mordomos que falam português. O preço? US$ 10 mil a diária. Detalhe: Dilma queria a suíte presidencial, como fez no ano passado, mas o espaço já estava ocupado. (Glamurama-UOL)


E o Brasil acreditou nas mentiras do LULA - Déficit das contas externas deste ano é o pior em 66 anos. Dívida externa já é de US$ 311,5 bilhões.

 Banco Central mostrou ainda que o déficit em conta corrente do Brasil continua se ampliando e ficou negativo em 5,05 bilhões de dólares em agosto, impactado, sobretudo, pela conta de serviços, que ficou 4,235 bilhões de dólares no vermelho. 

. A balança comercial, que vinha impactando negativamente as transações correntes ao longo de 2013, teve saldo positivo em agosto, de 1,226 bilhão de dólares. 

. No acumulado do ano, o déficit em conta corrente atinge 57,952 bilhões de dólares, o que representa 4,01% do Produto Interno Bruto (PIB). É o pior resultado para a série histórica do Banco Central nos oito primeiros meses do ano desde 1947.

. O déficit acumulado em 2013 já é maior do que o resultado negativo total de 2012 (54,230 bilhões de dólares). No acumulado dos últimos 12 meses até agosto, o saldo negativo está em 80,642 bilhões de dólares, ou 3,60% do PIB.

Dívida externa - O BC informou ainda que a estimativa para a dívida externa brasileira em agosto de 2013 ficou em 311,474 bilhões de dólares

Petista miserável indiciado pela PF por desviar recursos do Brasil sem Miséria.

O diretor de política agrícola da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), Sílvio Porto, está entre os alvos da operação Agro-Fantasma da Polícia Federal, que apura desvios de recursos públicos de um dos programas do Fome Zero. Filiado ao PT do Rio Grande do Sul desde 1995, Porto prestou depoimento à PF em Brasília nesta terça-feira (24). Segundo a polícia, ele foi indiciado por suspeita de participar do esquema.

A operação Agro-Fantasma mobilizou cerca de 200 policiais que cumprem 92 mandados no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Ainda não há estimativa do rombo que a quadrilha causou aos cofres públicos. Mas, segundo a PF, toda a cúpula da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) do Paraná foi afastada.

Depois de dois anos de investigação, a polícia identificou um grande esquema que desviou recursos de um dos programas do Fome Zero, chamado de PAA (Programa de Aquisição de Alimentos). De acordo com o delegado federal Maurício Todeschini, foi constatada a simulação de produção e entrega de alimentos feitas pela Conab em diferentes cidades.  "A Conab sabia das irregularidades e fazia relatórios falsos para continuar distribuindo dinheiro do programa", afirmou Todeschini, responsável pela operação que já indiciou 58 pessoas por 11 crimes, entre eles apropriação indébita, falsidade ideológica e estelionato contra a Conab.

As investigações começaram no Paraná, mas a polícia acredita que o esquema pode se repetir em outros Estados. "Não pegamos nem metade", afirma o delegado. Procurada no início da manhã desta terça para falar das suspeitas da PF, a Conab ainda não se manifestou. (Folha Poder)

Dilma, ainda aprendendo a privatizar, reduz exigências absurdas para atrair interessados em Confins.

O governo Dilma decidiu baixar a exigência para os interessados em participar do leilão do aeroporto de Confins (MG). As regras, entretanto, permanecem as mesmas para o Galeão (RJ). A mudança levou a um adiamento da data da disputa, de 31 de outubro para 22 de novembro. A partir de agora, o operador interessado no terminal de Minas -cujo movimento anual é de 10,4 milhões de passageiros- terá de comprovar experiência no comando de um aeroporto com movimento mínimo de 20 milhões de passageiros ao ano.
A exigência anterior, que permanece para o Galeão (fluxo de 17,5 milhões), era de 35 milhões -Guarulhos, o maior do país, movimentou 32,8 milhões em 2012. A proposta mais rígida, que reduzia a quantidade de possíveis participantes, foi determinação da presidente Dilma, que ficou irritada com resultado dos leilões de Guarulhos (SP), Viracopos (SP) e Brasília, vencidos por operadores sem experiência em terminais de grande porte. Na época, os operadores tinham de comprovar gestão de aeroportos com apenas 5 milhões de passageiros.
O TCU, porém, pediu explicações sobre o novo critério. Para justificar tecnicamente, o governo disse que fazia uso de um padrão internacional, que, ao ser aplicado, manteve a meta para Galeão e reduziu a de Confins.O presidente do TCU, ministro Augusto Nardes, disse que o novo modelo será analisado, mas já parece satisfazer as demandas do órgão.
A flexibilização das regras abre espaço para aumentar a competição por Confins. Pelo menos mais dez operadores se enquadrariam, mas, segundo a Folha apurou, o governo não sabe se há tempo hábil para a formação de novos consórcios. Até aqui, a expectativa era que seis consórcios participassem, incluindo grandes operadores como os de Frankfurt, Paris e Londres.
O ministro Moreira Franco (Aviação Civil) negou que o novo modelo vise aumentar a competição -neste mês, a rodovia BR-262, oferecida em leilão, não teve interessados. "Há disposição tanto para Galeão quanto para Confins." Moreira Franco disse que caberá ao TCU tomar a decisão de não permitir operadores aeroportuários privados nacionais nas empresas ou permitir 15% sobre a parte privada do consórcio, ou seja, 51% do empreendimento. (Folha de São Paulo)

sábado, 21 de setembro de 2013

Mar de lama no Planalto - O governo cleptocrata do PT produz outro assessor preso em Brasília. Desta vez o ladrão é da quota do ministro da Previdência.

Neste sábado, a montagem a seguinte circula nas redes sociais. Este é o conceito que a cleptocracia petista passou a alimentar.

A cleptocracia que se instalou no governo federal do PT registrou nova vítima neste final de semana, porque o assessor do ministro da Previdência, Garibaldi Alves (PMDB-RN), Alberto Soares Filho, auditor da Receita Federal, que trabalha como assessor da Diretoria do Departamento dos Serviços de Previdência no Serviço Público, foi demitido em Brasília. Ele é acusado pela PF de envolvimento com a quadrilha suspeita de pagar propina a prefeitos para captar investimentos de fundos de pensão municipais. O assessor do ministro mantinha contatos com a organização investigada e frequentava uma das empresas apontadas no esquema. 

. A Polícia Federal já pediu a prisão temporária dele; pedido de exoneração será publicado no Diário Oficial desta segunda

FONTE:  www.polibiobraga.com.br

Fotos provocam a ira do PT.

eduardo_aecio
A foto acima foi insuportável para o PT. Dois políticos jovens, com bom relacionamento e alto potencial de votos. Ao ver a imagem, contam assessores, Dilma surtou e, aos gritos, ameaçou tirar os cargos do aliado PSB, de Eduardo Campos, no governo. Resultado: antes que isso acontecesse, o PSB foi lá e, com classe, entregou os postos no governo petista. E fez mais: não exigiu os cargos do PT nos estados. Saia justa para Dilma. Lula, neste momento, tenta resgatar o que sobrou de uma aliança de dez anos. A reação mostra a cara mais podre do PT: se não está comigo, está contra mim.
  A realização de um novo julgamento do mensalão motivou um protesto de atrizes de
Esta foto foi feita na última quinta-feira, logo após o voto de Celso de Mello. As atrizes da Globo, que atuam na novela Amor à Vida, Bárbara Paz, Carol Castro, Rosamaria Murtinho, Nathália Timberg e Susana Vieira vestiram luto em protesto contra o entendimento da mais alta Corte do país. Foi o que bastou para que a matilha petista nas redes e nos veículos de comunicação chapa-branca saísse a atacar a opinião das atrizes. Ataques à honra e à moral se proliferaram nas redes. O PT não é burro. Eles sabem que algo de novo está acontecendo. E que o novo não é nada bom para o projeto de poder do partido do Mensalão e da Corrupção.


Súmula 354 pode garantir prisão imediata de Zé Dirceu e de toda a quadrilha do Mensalão

O jornalista Josias Souza informa no seu blog deste sábado que um documento cinquentenário reaquece no STF o debate sobre a hipótese de apressar a execução das penas dos condenados do mensalão.

Trata-se da súmula 354. Foi aprovada pelos ministros do Supremo em 13 de dezembro de 1963. Anota o seguinte: "Em caso de embargos infringentes parciais, é definitiva a parte da decisão embargada em que não houve divergência na votação."

. Traduzindo para o português das ruas: mesmo os condenados que têm o direito de lançar mão dos embargos infringentes para requerer a revisão parcial das penas podem começar a cumprir imediatamente a parte da sentença que já não está sujeita a questionamentos. O castigo seria, por assim dizer, fatiado.

Tome-se o caso de José Dirceu. Foi condenado a dez anos e dez meses de cadeia, em regime inicialmente fechado. Pelo crime de corrupção ativa, pegou sete anos e 11 meses. Pela delito de formação de quadrilha, mais dois anos e 11 meses. No julgamento dessa segunda imputação, Dirceu obteve quatro votos a favor da absolvição. É essa minoria qualificada que lhe permite recorrer.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Maiores petroleiras não participam do leilão do maior campo do pré-sal. O sonho acabou?

Pré-sal
A desistência de quatro gigantes do setor petroleiro do leilão do pré-sal surpreendeu o Planalto e a ANP (Agência Nacional do Petróleo), que previam uma disputa mais acirrada, com cerca de 40 empresas, e não apenas as 11 que acabaram se inscrevendo. Segundo executivos do setor ouvidos pela Folha, a ausência das norte-americanas ExxonMobil e Chevron e das britânicas BP e BG reforça a tese de que o leilão, marcado para o dia 21 de outubro, despertou muito mais interesse em estatais que visam assegurar reservas, e não em empresas que querem lucrar com a venda de petróleo.
Na lista final, seis são estatais --duas da China. Outra chinesa está associada à espanhola Repsol e, na Petrogal, à portuguesa Galp. Entre as grandes privadas, só figuram Shell (Reino Unido-Holanda) e Total (França). Para a China, o mais importante é mover a sua indústria manufatureira. Ou seja, seu foco é exportar produtos de maior valor e usar commodities importadas, como petróleo e minério de ferro.
Para analistas, o acesso ao petróleo é ainda uma questão geopolítica e de garantia de suprimento externo que talvez seja fundamental apenas para a China. Um sinal de interesse pela participação das chinesas foi a visita recente da presidente da Petrobras, Graça Foster, ao país. Segundo executivos do setor, o formato do leilão e as regras do modelo de partilha afastaram empresas que já tinham foco em outros países, como BP e Exxon.
No campo regulatório, a incerteza maior é em relação à entrega do óleo à nova estatal do pré-sal (a PPSA), que vai cuidar de todos os contratos de partilha de produção, definindo o que pode ser abatido como custo operacional do óleo e ser entregue a ela. Outro ponto, dizem, é a imposição da Petrobras como sócia obrigatória com 30% de participação e operadora do campo --ou seja, responsável por todas as contratações de pessoal, equipamento, prazos de exploração etc.
Para David Zylbersztajn, ex-diretor-geral da ANP, o pré-sal perdeu atratividade por outros motivos, como o menor grau de dependência de países como os EUA --que descobriram grande reservas de gás de xisto e serão autossuficientes em poucos anos. "O petróleo já não é tão estratégico com o era há dez anos."
EXPLICAÇÕES
A diretora-geral da ANP, Magda Chambriand, disse que recebeu telefonemas de Exxon, BP e BG, nos quais as petroleiras "reafirmaram o interesse no Brasil", apesar da não participação no leilão. Magda chegou a falar que seriam 12 as inscritas, informação logo depois corrigida pela ANP. Segundo a Folha apurou, a Chevron seria a 12ª, mas desistiu na última hora. Magda atribuiu as ausências à "conjuntura". "Agora existe um contexto mundial de situações muito específicas de cada empresa que levam a essa situação."
A desistência das empresas, dizem especialistas, mostra ainda que, para gigantes do setor, as novas regras impostas pelo governo não são boas e o espaço para "ganhar dinheiro" é reduzido. Sinaliza também uma maior desconfiança em relação ao país, já apontado pelas dificuldades no leilão de rodovias.
No mercado, a surpresa foi a atitude da BG, já que é a principal sócia da Petrobras no pré-sal e vinha com um discurso de apostar no país. Pesou, segundo a Folha apurou, o fato de a empresa estar com o caixa comprometido para o desenvolvimento de projetos como o do campo de Lula (bacia de Santos), do qual é parceira da Petrobras. Ao governo BG e BP disseram que "gostam" de assumir mais riscos, porque o lucro também é maior. Procurada, a BG não respondeu à reportagem. Ninguém da Exxon foi localizado. A BP disse que não iria comentar. (Folha Poder)


Mar de lama no Planalto - Ideli demite assessor-quadrilheiro da Presidência da República

- "Surpresa", "perplexa", Ideli esbugalha o olho, faz caras e bocas e diz que não sabia de nada. 


A ministra-chefe da Secretaria de Relações Institucionais (SRI) da Presidência da República, Ideli Salvatti, demitiu nesta sexta-feira, 20, o assessor especial Idaílson José Vilas Boas Macedo. A decisão foi tomada após o portal estadao.com.br revelar que, segundo o inquérito da Operação Miquéias, da Polícia Federal, o assessor atuava como lobista da quadrilha acusada de pagar propina a prefeitos para direcionar investimentos de fundos de pensão municipais.

. Em nota, a SRI anunciou que Idaílson "está exonerado de suas funções a partir da data de hoje". A ministra determinou também a abertura de sindicância para apurar as acusações contra ele.

Idaílson é filiado ao PT de Goiás e foi nomeado assessor da SRI em março do ano passado.

Mar de lama no Planalto - Polícia apanha outro bandido do PT na assessoria da Presidência da República

A petezada transformou os gabinetes da Presidência em antros onde acontece de tudo. Ali se instalam amantes de presidente (Rosemary Noronha)), ladrões do colarinho branco (Valdomiro Diniz),  estupradores (Eduardo Staievski) e até esse tipo de escroque que assessora a ministra Ideli Salvati. Ao lado, a ministra, os carrões dos petistas bem tratados e os policiais. 

O jornal Estado de S. Paulo informou esta tarde que um assessor da Presidência era lobista de esquema que 'lavou' R$ 300 mi, diz PF. Idaílson Vilas Boas, auxiliar da ministra Ideli Salvatti, recebeu suspeitos de envolvimento com organização criminosa dentro do Planalto;

Leia a reportagem de Andreza Matais, Fábio Fabrini e Fausto de Macedo:

A Polícia Federal acusa um assessor da ministra das Relações Institucionais, Ideli Salvatti (PT-SC), de envolvimento com a quadrilha suspeita de pagar propina a prefeitos para direcionar investimentos de fundos de pensão municipais. Relatório de inteligência daOperação Miqueias, ao qual o Estado teve acesso, diz que Idaílson José Vilas Boas Macedo atuava como lobista do esquema, tendo feito negociações dentro do Palácio do Planalto.

. Ele é filiado desde 1999 ao PT de Goiás e foi nomeado em 25 de março do ano passado, com salário bruto de R$ 9,6 mil, assessor especial na Secretaria das Relações Institucionais (SRI), pasta vinculada à Presidência da República. A nomeação foi assinada pela ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann (PT-PR) - o preenchimento dos cargos de confiança mais altos precisam do aval dela.

. Segundo as investigações da Operação Miqueias, deflagrada nesta quinta-feira, 19, Idaílson intermediava negociações entre prefeitos e um "pastinha", como são chamados os aliciadores do esquema.

CLIQUE AQUI para saber tudo.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

STF pode pedir prisão imediata dos mensaleiros condenados José Dirceu, Genoino, Delúbio e João Paulo Cunha.

Os ministros Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes disseram na noite desta quarta-feira (18) que parte dos condenados que ainda têm direito à revisão de suas penas, como o ex-ministro José Dirceu, poderia ser presa devido aos crimes que cometeram mas que não obtiveram o direito de reanálise do processo. De acordo com os ministros, Dirceu, e o mesmo acontece com o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, foram condenados por corrupção ativa e formação de quadrilha.
A reanálise de seus casos, no entanto, se dará somente para o crime de formação de quadrilha, em que obtiveram quatro votos pela absolvição.De acordo com o ministro Marco Aurélio, sendo publicado o acórdão (documento que resume o que foi decidido no julgamento) e havendo o fim do processo, chamado de trânsito em julgado, para o caso da corrupção, eles deveriam ser presos.
"Vamos analisar um caso que está emblemático, o do ex-ministro José Dirceu. Ele só terá os embargos infringentes na formação de quadrilha. Pelo outro crime de corrupção ele pode ser preso com o trânsito em julgado. Só teria que se observar o regime", disse.
Declaração semelhante foi dada por Mendes logo após deixar o plenário do STF. "[A questão do cumprimento de penas] vai ter que ser colocada, mas é possível de fazer se couber prisão. Os embargos infringentes suspendem o acórdão somente naquela parte embargada. Então a parte líquida poderia ser executada".
Na prática, Dirceu foi condenado a 10 anos e 10 meses de cadeia por seus dois crimes. Por corrupção foram 7 anos e 11 meses. Por quadrilha 2 anos e 11 meses. Como a pena para corrupção ficou abaixo de 8 anos, Dirceu ficaria no regime semiaberto, quando só é preciso dormir na cadeia. E, já cumprindo sua pena, responderia ao processo por formação de quadrilha. Sendo absolvido, seguiria no regime semiaberto. Sendo condenado por quadrilha, avançaria para o regime totalmente fechado.
A situação, no entanto, não é tão simples. Até o momento, somente os dois ministros falaram sobre a possibilidade de prisão e o assunto, provavelmente, deve gerar novos debates na corte. Pela tese de Aurélio e Mendes, 10 dos 12 réus que têm direito a infringentes também poderiam iniciar o cumprimento de penas antes do desfecho de seus processos, entre eles o ex-presidente do PT José Genoino e o deputado João Paulo Cunha (PT-SP). (Folha Poder)

ESTÂNCIA VELHA: sociólogos absolvidos em processo de acusação de campanha difamatória.

Maurí Martinelli e João Valdir de Godoy
A juíza Rosali Terezinha Chiamenti Libardi da Vara Judicial de Estância Velha, na região metropolitana de Porto Alegre, absolveu o os sociólogos, Maurí Martinelli e João Valdir de Godoy, nos autos do processo nº 095/1.08.0002353-4 em que são réus. 
Os autores, ex-Juiz e ex-Promotor da Comarca sustentaram na inicial suposta campanha difamatória promovida pelos requeridos que, através de declarações junto a Corregedora-Geral do Ministério Público e na Promotoria de Justiça da Comarca de Sapiranga-RS, bem como em manifestações públicas e na mídia eletrônica, promoveram ataques à honra e a imagem dos requerentes. Requereram, em antecipação de tutela a fixação de multa diária, em caso de nova publicação difamatória em relação aos autores. No mérito, postularam pela procedência da ação com a fixação de verba indenizatória por dano moral.
Na época dos fatos, o sociólogo João Valdir de Godoy era vereador do município de Estância Velha. Naquela ocasião compareceu perante a Promotoria de Justiça da Comarca de Sapiranga-RS onde denunciou que "existiam ligações duvidosas no Município de Estância Velha envolvendo o Prefeito, o Sr. Jaime Schneider, o Juiz da Comarca e o Promotor de Justiça. Salienta que por inúmeras vezes  compareceu ao Ministério Público da referida Comarca a fim de denunciar graves fatos ocorridos no município, como irregularidades em licitações e corrupção por membros do poder executivo. No entanto, providência alguma foi tomada pelo Dr. Paulo o qual já referiu ter estreitos laços de fraternidade com o Sr. Elivir Desian, prefeito do município e Jaime Schneider, chefe de gabinete".
Também compareceu junto a Procuradoria-Geral de Justiça onde fez a entrega de um dossiê denunciando irregularidades na administração municipal de Estância Velha. Possivelmente foi instaurado algum procedimento administrativo, a partir de tais declarações, uma vez que foram acostadas cópias de vários depoimentos colhidos pela Divisão de Assessoramento Técnico do Ministério Público, onde, inclusive o demandado João Valdir de Godoy foi ouvido novamente.
Além disso, ausente a comprovação da efetiva ofensa à honra dos autores, uma vez que o réu somente agiu de acordo com as suas atribuições da época ao questionar atos, em especial  de Paulo Eduardo de Almeida Vieira, na época Promotor de Justiça e de Nilton Elsenbruch Filomena, Juiz de Direito. Ambos da Comarca de Estância Velha-RS.
"Inexiste qualquer prova de que tal dossiê tenha se tornado público, uma vez que, pelo que se depreende da inicial e documentos acostados, as denúncias foram feitas unicamente no restrito âmbito da Promotoria e Procuradoria do Ministério Público", sentenciou a juíza.
Em face do sociólogo Maurí Martinelli existem apenas dois documentos no processo que embasam o pedido inicial. Um deles é o termo referente a uma audiência pública que estaria sendo coordenada pelo autor Paulo Eduardo de Almeida Vieira.  Mauri Martinelli, na ocasião teria, se manifestado da seguinte forma: "...E agora também é importante salientar as relações de amizade, Sr. Promotor, que o Sr. tem com os membros da Administração Municipal. Ato declaratório firmado por Vossa Excelência. E um destes membros  de suas relações recebia mesada de R$ 5.000,00 (cindo mil reais) /mês da UTRESA. E, diante deste intermédio, de declaração de ato de amizade, foi transferido para o seu nome, Sr. Promotor, um automóvel VECTRA. E agora eu pergunto: O Sr. Ainda não se sente impedido de promover e coordenar esta audiência pública?"
O demandado Maurí Martinelli faz menção de possível irregularidade na negociação do veículo Vectra. A conclusão do parecer do Promotor-Corregedor Ruben Giugno Abruzzi) no procedimento administrativo instaurado contra  o autor Paulo Eduardo: "No caso dos autos, o próprio Doutor Paulo Eduardo admite que a compra do automóvel Vectra foi facilitada em razão da amizade mantida com o vendedor Jaime Dirceu Antônio Schneider".
O segundo documento é o depoimento do demandado, prestado perante a Divisão de Assessoramento Técnico do Ministério Público, Ali, o demandado tece várias críticas em relação aos autores. No entanto, tais declarações foram prestadas através de depoimento em processo administrativo, do qual não houve qualquer publicidade.
 Embora as acusações sejam graves, entendo que não são capazes de gerar o efetivo dano moral, uma vez que foram feitas no âmbito restrito de um processo. Se outro fosse o entendimento, todas as ações criminais, onde os réus são acusados de delitos graves, em caso de absolvição, geraria direito indenizatório por dano moral. Assim, este espécie de indenizatória deve ser vista com cautela, a fim de não gerar uma verdadeira indústria de dano moral.
Desta forma, entendo que o demandado não obrou, através de suas declarações, de forma a causar abalo moral capaz de ensejar ressarcimento indenizatório. Sentenciou a Magistrada. 
A advogada Drª Maria da Graça Flesch com escritório em Estância Velha, patrocinou os réus nos auto do presente processo. Da sentença ainda cabe recurso.

Jornal A VOZ e Luggi Matté são condenados a indenizar Sônia Cardoso por dano moral

Sônia A. O. Cardoso
A Juíza Rosali Terezinha Chiamenti Libardi da  Vara Judicial de Estância Velha, na região metropolitana de Porto Alegre, condenou MATTÉ MARQUETING  E SERVIÇOS LTDA E LUIGI MATTÉ nos autos do processo de conhecimento de indenizatória nº 09511200019305 onde a autora Sonia Aparecida Oliveira Cardoso relatou que os réus, através do jornal "A Voz", deflagraram uma campanha difamatória em seu desfavor, mediante publicações de inverdades e acusações. Na época, a autora possuía cargo público junto à administração municipal lotada na Secretaria de Desenvolvimento Social, investida no cargo de  Diretora de Habitação,  e responsável pelo PSH, Programa Social de Habitação. Narrou que os demandados passaram a difamá-la diretamente perante os leitores do município e dos demais em torno, lançando mão de expressões de baixo calão e frases de efeito, com o intuito de prejudicá-la. Requereu, em antecipação de tutela, a determinação para que os demandados se abstivessem de publicar notícia de que, de alguma forma, vincule o nome da requerente ou a sua função pública e seu trabalho junto ao PSH. No mérito, requereu a procedência da ação com a condenação dos demandados ao pagamento de indenização pelo dano moral causado à requerente.
Em matéria publicada pelo jornal A VOZ,  consta que: "Sônia Cardoso e sua Cooperativa Habitacional" onde, verifica-se houve realmente um abuso do demandado ao atribuir a autora comentários pejorativos ferindo sua honra subjetiva. De qualquer forma, informações dão conta de que Sônia Cardoso vem a muito se locupletando com esta cooperativa e, segundo estas informações, até mesmo lesando contemplados com programas habitacionais. Noutra esfera, Sônia também favoreceria pessoas ligadas a ela, aos programas habitacionais, além de cobrar valores variáveis para inserir pessoas em programas habitacionais e que mesmo pagando antecipadamente, nem sempre gozariam do cumprimento da palavra da cooperativista".
Segundo a juiza a matéria realmente teve cunho difamatório. E diante do pedido inicial oposto por SONIA CARDOSO, a juíza Rosali Terezinha Chiamenti Libardi, condenou os réus,  MATTE MARKETING E SERVIÇOS LTDA E LUIGI MATTÉ  ao pagamento de indenização por dano moral no valor equivalente a dez (10) salários mínimos, mais custas processuais e sucumbência em favor do advogado da autora.


Vai que é tua, Celso de Mello!

  Deputada Inês Pandeló é condenada por improbidade  Foto: Reprodução / Site da Alerj
A deputada estadual Inês Pandeló (PT-RJ) foi condenada pelo Tribunal de Justiça por improbidade administrativa sob acusação de se apropriar de parte do salário de funcionários de seu gabinete na Assembleia Legislativa. Com a decisão, ela passa a ter seus direitos políticos suspensos por cinco anos e terá que devolver a quantia obtida indevidamente. O caso será também analisado pela Comissão de Ética da Assembleia, que investiga acusação semelhante contra a deputada Janira Rocha (PSOL-RJ).
Ela já havia sido condenada em primeira instância no ano passado. O desembargador Custódio de Barros Tostes negou o recurso interposto pela defesa da petista. De acordo com o MP, ela se apropriava de até 68% do salário de funcionários de seu gabinete. Segundo a promotoria, a deputada alegava que os recursos eram destinados à filantropia. A assessoria da petista disse que a deputada vai apresentar recursos ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF (Supremo Tribunal Federal). Ela alega que testemunhas de defesa não foram ouvidas no processo original. (Folha Poder)

Celso de Mello condena o povo e aceita os embargos infringentes que vão reduzir a pena dos ladrões, quadrilheiros e mensaleiros do PT, livrando-os do regime fecha

17 de dezembro - Com o voto do ministro Celso de Mello, o STF determinou que os 25 condenados no julgamento do mensalão perderam os direitos políticos.

É como Celso de Mello encaminha o voto de desempate. Vibram os criminosos. Vibram os corruptos. Parabéns, Celso de Mello, por condenar o povo e dar uma nova chance aos ladrões do dinheiro do povo. Você vai entrar para a História como um grande jurista e, com toda a liberdade de opinião que a tua Constituição me garante, um brasileiro de merda.



Dilma peita Obama, mas não enfrenta Lupi.

Presidente do PDT, Carlos Lupi, e ministro Manoel Dias (Trabalho) na convenção do partido em Luziânzia (GO)
Lupi com o ministro Maneca das ONGs: mais poderoso que Obama.
Em tom de ameaça, o PDT decidiu não indicar nenhum nome para o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) ou qualquer outra pasta até o fim da gestão Dilma Rousseff, caso o ministro Manoel Dias deixe o cargo. A posição está fechada, embora a legenda tenha delegado a Dias a decisão de seu futuro no governo.
"Não vemos a possibilidade da presidente (Dilma) pedir esse cargo, mas se o ministro resolver renunciar, uma coisa vocês podem anotar: não existe a menor possibilidade de o PDT indicar outro nome para esse ministério, nem nenhum outro. Isso já é ponto decidido.", afirmou o anfitrião da reunião de hoje, o líder do PDT na Câmara, André Figueiredo (CE). Segundo ele, a sigla entende o "momento extremamente angustiante que passa a figura do ministro", mas ressaltou que a renúncia ao cargo está sob avaliação.
Figueiredo disse ainda que Manoel Dias está "obstinado" a fazer o pente-fino no MTE. "Ele quer deixar isso como legado. Se ele conseguir isso em 15, 20 dias. Não é que ele vai sair. Vai deixar isso de missão cumprida", explicou.
As bancadas do partido na Câmara e no Senado passaram cerca de uma hora e meia com o ministro do Trabalho e o presidente da legenda, Carlos Lupi, ex-ministro da Pasta. Lupi deixou o comando do MTE em 2011, em meio a denúncias semelhantes às atuais, mas reiterou a confiança do partido em Dias e disse achar "remotíssima" a possibilidade de o partido substituí-lo. Em defesa ao atual ministro, Lupi disse que ele "foi pego para Cristo" pela imprensa, e nesse caso, "tem que apanhar até acabar". (Estadão)

domingo, 15 de setembro de 2013

Sindicato chama cubanos de escravos, mercenários e aventureiros a serviço da ditadura dos Castro

A coluna semanal do Sindicato dos Médicos de Alagoas, publicada nos jornais do Estado neste domingo, questiona se os profissionais cubanos que começam a atuar no próximo dia 22 no Brasil são realmente formados em medicina. O artigo, que ainda chama os cubanos de "mercenários" e "escravos".

. Segundo a coluna, "alguns até podem ser médicos. A maioria, ninguém sabe". E mais adiante avisa

- Que venham os cubanos, mercenários que aceitam ser escravizados, trabalhando apenas por casa e comida, para ajudar a manter a ditadura em Cuba. Muitos vêm com vontade de ficar, de engravidar uma brasileira e enterrar Cuba no passado.

CLIQUE AQUI para ler tudo.

Polícia Federal investiga ameaças de morte contra ministro Fux

Fux não é assustado. No judô, ao lado, ele imobiliza o adversário. 

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, pediu à Polícia Federal que investigue a origem de emails com ameaças dirigidas a ele e seus familiares. Quem informa é o colunista Claudio Humberto, do Diário do Poder. Leia a seguir:

PF DEVE INVESTIGAR AMEAÇAS A MINISTROS

A Polícia Federal será acionada para investigar a origem de e-mails ameaçadores ao ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, e até mesmo a seus familiares, às vésperas das sessões sobre admissão de embargos infringentes, na tentativa de forçá-lo a mudar sua posição contrária a interesses de mensaleiros. Outros ministros podem ter sido alvo de ameaças, segundo fontes da Procuradoria-Geral da República.

NÃO É A PRIMEIRA VEZ

Os votos desassombrados do ministro Luiz Fux, no caso do mensalão, fizeram dele alvo de ira e de tentativas – inúteis – de intimidação.

PROCEDIMENTO

É procedimento padrão a Polícia Federal ser notificada a investigar, em casos de ameaças ou tentativas de chantagem contra os magistrados.


A resposta de Obama a Dilma: uma imagem vale por mil palavras!

obama-finger
Dilma e o PT planejaram meticulosamente o golpe eleitoreiro da espionagem americana. Este papinho de soberania dá voto. Pode ser humilhado por Evo Morales e por Cristina Kirchner, companheiros bolivarianos do Socialismo do Século XXI. Mas jamais pelo gigante da democracia, os Estados Unidos da América. Fez bem Obama. Shut up and fuck you, Dilma. 

Abaixo, matéria da Folha de São Paulo.
A presidente Dilma Rousseff deve cancelar a visita de Estado aos EUA, marcada para o dia 23 de outubro. A decisão, que ela já estava propensa a tomar após revelações de espionagens feitas no Brasil pela Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA), foi reforçada na sexta-feira, em encontro com o conselho político informal com o qual costuma se reunir. A viagem, anunciada em maio, seria a única visita de Estado de um presidente estrangeiro aos EUA neste ano. E a primeira de um brasileiro em quase duas décadas.
Categoria diplomática mais alta concedida a estrangeiros, a visita de Estado é reservada a parceiros estratégicos mais próximos dos EUA e implica em formalidades como um jantar de gala na Casa Branca e uma cerimônia militar na chegada. Nem Lula recebeu a honraria. O último líder brasileiro a fazer uma visita assim foi Fernando Henrique, em 1995.
Na reunião de sexta, na Granja do Torto, além de Dilma, estavam presentes o ex-presidente Lula, os ministros Aloizio Mercadante (Educação), José Eduardo Cardozo (Justiça), o presidente do PT, Rui Falcão, o ex-ministro das Comunicações Franklin Martins, o publicitário João Santana e o chefe do gabinete presidencial, Giles Azevedo.  Ali, Dilma comunicou que já decidira não fazer a visita de Estado. Todos apoiaram a decisão, sobretudo Lula.
Ontem, a assessoria da Presidência procurou a Folha para informar que não há uma definição sobre o cancelamento da viagem. Os EUA não pediram desculpas e não deram explicações convincentes sobre a espionagem no Brasil, que atingiu a comunicação da própria presidente com auxiliares. O país chegou a dar a entender que manteria a prática de monitorar o Brasil.
RELATO DETALHADO
De acordo com um auxiliar direto de Dilma, a presidente ainda terá uma conversa com o chanceler Luiz Alberto Figueiredo, na terça-feira, antes de sacramentar a decisão. Figueiredo esteve nesta semana em Washington para uma reunião com representantes do governo Obama e fará um relato detalhado da sua conversa à presidente. Mas a possibilidade de Dilma manter a viagem aos EUA, a essa altura, é extremamente remota, de acordo com o mesmo auxiliar.
"Ela já queria cancelar a viagem e está praticamente decidida. A não ser que os EUA apresentem alguma explicação clara, o que até agora não ocorreu". Para que Dilma mantivesse o encontro, "seria preciso Obama vir ao Brasil pedir desculpas, ou algo equivalente", nas palavras do interlocutor de Dilma com quem a Folha checou a informação.
SOBERANIA
Dilma afirmou que o caso de espionagem é uma questão de soberania nacional. Ela disse que só anunciará oficialmente sua decisão sobre a viagem após o encontro com Figueiredo. A Folha apurou que Dilma não pretende estender a questão. Segundo interlocutores, a presidente disse que será firme contra os casos de espionagem, mas que sabe que há limites para sua reação, tendo em vista as relações bilaterais com os Estados Unidos.
As denúncias sobre Dilma Rousseff e a Petrobras terem sido alvo de espionagem pela NSA surgiram em reportagens no programa "Fantástico", da TV Globo, neste mês. As revelações partiram de documentos secretos obtidos pelo jornalista Glenn Greenwald com Edward Snowden, ex-técnico da NSA, asilado na Rússia. Os papéis mostraram que a comunicação entre Dilma e assessores foi monitorada pela agência americana.

Agente do ministério da Saúde censura coletiva com médica cubana e bate-boca com jornalista

Foi insólita a censura imposta por assessor do ministério da Saúde no decorrer da entrevista coletiva que uma médica cubana que tinha acabado de desembarcar em Palmas concedia a jornalistas do Tocantins.

. Isto ocorreu sábado a tarde.

. A médica foi escolhida para falar em nome dos seus 18 colegas.

. Na coletiva, a primeira pergunta foi sobre os salários. Eis o que disse a médica Jabel Pereira, em bom português:

- Nossos salários vão integralmente para Cuba. Nem um centavo fica aqui. Vai tudo para lá.

. A situação azedou depois que uma jornalista quis saber que tipo de informação os médicos possuíam sobre a situação da saúde pública no interior do Tocantins, porque neste momento um assessor do ministério da Saúde censurou a pergunta, interrompeu a entrevista e bateu boca com a jornalista que tinha feito a pergunta.

CLIQUE AQUI para examinar as imagens do bate-boca e da entrevista.


sábado, 14 de setembro de 2013

Beneficiário do escândalo no MTE da Dilma e do Lupi vai comandar as investigações.


O ministro do Trabalho, Manoel Dias, colocou à frente da comissão que vai fazer um pente-fino nos convênios da pasta, depois das irregularidades apontadas pela Operação Esopo, da Polícia Federal, um político que tem um histórico polêmico. Conforme portaria publicada ontem no Diário Oficial da União, caberá ao secretário de Políticas Públicas de Emprego do Ministério do Trabalho, Sérgio Vidigal, escolher o coordenador dos trabalhos.

Vidigal é ex-prefeito de Serra (ES), município que tem um convênio de R$ 4,6 milhões com o Instituto Mundial de Desenvolvimento e da Cidadania (IMDC), entidade citada na operação como a principal beneficiária pelo desvio de dinheiro público. O convênio foi feito na gestão de Vidigal, em 2008, e ainda está em vigência.

Um dos principais assessores do secretário, Cleide Santos Costa, foi preso na semana passada, em São Paulo, na Operação Pronto Emprego. Ele é acusado de favorecer o Centro de Atendimento ao Trabalhador, uma ONG suspeita de desviar aproximadamente R$ 18 milhões de convênios financiados pelo ministério.

Sérgio Vidigal é marido da deputada Sueli Vidigal (PDT-ES). Os dois são fidelíssimos ao presidente do PDT, Carlos Lupi, ex-ministro do Trabalho. Na época dos escândalos que derrubaram Lupi da pasta, o casal assumiu a linha de frente de defesa do presidente nacional do PDT. Vidigal ocupa a secretaria mais importante do ministério, que cuida dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) e responde por todos os convênios de qualificação de trabalhadores e pelos recursos do Projovem — justamente onde estão as irregularidades. Ele ocupa o cargo pela segunda vez, foi levado por Lupi e saiu com a queda do ministro, assim que Brizola Neto assumiu o ministério.

Com a ida de Manoel Dias para comandar a pasta do Trabalho, Vidigal voltou ao cargo. Junto com Vidigal, o número dois da atual gestão Manoel Dias, o ex-secretário executivo Paulo Pinto, também foi exonerado da pasta pelo ex-ministro Brizola Neto. Com a queda de Brizola Neto, desafeto de Lupi no PDT, e a nomeação do apadrinhado de Lupi, os dois voltaram a assumir postos de comando no Ministério do Trabalho.

Mas, segundo fontes próximas, o principal objetivo de Vidigal é se eleger para deputado federal nas eleições do ano que vem. E tem costume de delegar as principais funções da secretaria, contam interlocutores. Na avaliação de técnicos do próprio ministério, a comissão criada por Manoel Dias teria que ser liderada por um servidor técnico de carreira ou entregue à corregedoria da pasta.

De acordo com a portaria publicada no Diário Oficial, o foco da comissão será os convênios com indícios de irregularidades detectadas pela Polícia Federal, pelo Ministério Público Federal e pela Controlaria Geral da União (CGU). A comissão não tem prazo para concluir os trabalhos, o que pode demorar até um ano. De acordo com a portaria, a comissão será composta por 12 servidores da própria Secretaria de Políticas Públicas de Emprego, comandada por Sérgio Vidigal, e por dez membros das Superintendências Regionais do Trabalho, que são dominadas pelo PDT.

Indagada a respeito do perfil de Vidigal e de seu eventual impedimento, a assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho informou que ele foi indicado porque é o responsável pela área, justamente onde estão os processos suspeitos de irregularidades. A criação de um mutirão visa dar uma resposta quanto ao esquema de desvio de recursos públicos. Segundo a portaria, deverá ser priorizada a análise dos processos relativos às entidades investigadas por Polícia Federal, Controladoria Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU). ( O Globo)